Busca

Carregando...

Projeto Poesia às segundas-feiras


BARRETT-BROWNING, Elizabeth; BANDEIRA, Manuel (Trad.) Soneto. IN: BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2008. p.403

Amo-te quanto em largo, alto e profundo
Minh'alma alcança quando, transportada,
Sente, alongando os olhos deste mundo,
Os fins do Ser, a Graça entressonhada.

Amo-te em cada dia, hora e segundo:
À luz do sol, na noite sossegada.
E é tão pura a paixão de que me inundo
Quanto o pudor dos que não pedem nada.

Amo-te com o doer das velhas penas;
Com sorrisos, com lágrimas de prece,
E a fé da minha infância, ingênua e forte

Amo-te até nas coisas mais pequenas.
Por toda a vida. E, assim Deus o quisesse,
Ainda mais te amarei depois da morte.

BIBLIOTECA INDICA: CONSCIÊNCIA NEGRA


Racismo é produto da mediocridade intelectual. 
FREIRE, Marcelino. Contos negreiros.
Localização: C F934c
O autor escreve como quem pisa no massapé, chão de barro negro, como a fala preta amassada entre os dentes, no terreiro da sintaxe, dos diminutivos dobrados nas voltas da língua. 

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala.
Localização: 316 F943c
Abordagens inovadoras de vida familiar, dos costumes públicos e privados, das mentalidades e das inter-relações étnicas revelam um painel envolvente e deliciosamente instigante da formação brasileira no período colonial. Da arquitetura real e imaginária da casa-grande e dos fluxos e refluxos do cotidiano da família patriarcal, emergiram traços da convivência feita de intimidade e dominação entre senhores e escravos e entre brancos, negros e índios que marcaram para sempre a sociedade brasileira.
VALENTE, Ana Lúcia E. F. Ser negro no Brasil hoje.                                                          Localização: 316.647.8 V249s
Racismo: uma doença que infecciona a sociedade brasileira.
Fale-se muito de uma perfeita democracia racial no Brasil, quando na verdade o preconceito, a segregação e a perseguição racial são crimes crônicos em nossa sociedade. E quem é a maior vítima do racismo brasileiro? É o negro.
Este livro procura refletir sobre essa doença social brasileira, mostrando as sutilezas que tentam mascarar seus sintomas e as possíveis formas de combatê-la.

ALVES, Castro. Os escravos.
Localização: P A478e
Este livro é uma reunião de poemas abolicionistas de Castro Alves, publicada doze anos após a sua morte. Inclui os famosos poemas “Navio negreiro” e “Vozes d´África.”
Navio negreiro” foi escrito anos depois da lei que aboliu o tráfico de escravos; como a lei não era completamente obedecida, o poeta se viu na obrigação de protestar. Ninguém foi mais veemente na poesia anti-escravagista do que Castro Alves, e isto fica claro neste livro.
KRISNAS, Antonio; ALAN, Alex. A saga de Palmares: Zumbi.
Localização: 94(81).027 K93s
A ideia do livro é popularizar a história de Zumbi, da escravidão negra no Brasil e do surgimento do quilombo de Palmares, por meio de imagem sequenciada. Nos quadrinhos, Zumbi aparece como um guerreiro musculoso e invencível, ao estilo dos super-heróis. Para o autor do livro, essa caracterização e o dinamismo das cenas de combate desenhadas por Allan Alex deverão atrair principalmente o público jovem, entre 12 e 18 anos, já fã dos quadrinhos.
 

LIMA, Heloísa Pires; GNEKA, George; LEMOS, Mário. A semente que veio da África.
Localização: J L698s
O vento, depois as águas, o barro, fazem parte da vida de uma sementinha que existe em toda a África. Dependendo de onde nasce, recebe um nome. Baobá mas também Embondeiro. Por viver até seis mil anos, se transformar num gigante na altura e na cintura, inspira muitas histórias para quem vive em torno dela. E convidamos o leitor para saborear algumas delas.
BARBOSA, Rogério Andrade. Outros contos africanos: para crianças brasileiras.
Localização: J B211o
Neste livro o autor faz um resgate de contos da cultura africana, cujos temais são universais e tradicionais, adaptando-os ao jovem leitor brasileiro. Sua leitura permite às crianças conhecer uma pequena parte da cultura e sabedoria da África e sugerem novas formas de reconhecer a riqueza que nasce da diversidade.São narrativas simples, recolhidas da tradição oral: o primeiro explica porque a galinha d angola tem as penas pintadas e a razão de seu canto característico - "tô fraca, tô fraca!" - e o segundo, o motivo de o porco ter o focinho curto. Divertem e ensinam, a um só tempo.

BARBOSA, Rogério Andrade; LIMA, Graça. Histórias africanas para contar e recontar.
Localização: J B211h
A mata escura, as crianças em volta da fogueira, o céu estrelado. É hora de ouvir histórias. Conduzidos pelas palavras de Rogério Andrade Barbosa, ingressamos no universo mágico dos contos africanos.
MACHADO, Ana Maria. Menina bonita do laço de fita.
Localização: J M129m
Um coelho branco apaixonado por uma criança negra. Isso é possível? Sim! Nosso coelhinho, aliás, vai além: quer também ter a pele escura, igualzinha à da linda menina. Além do caráter lúdico de sua criação, a autora coloca em cena, nesta obra, diversos aspectos muito debatidos nos dias de hoje, como a auto-estima das crianças negras e a fraternidade inter-racial. Razão suficiente para tornar Menina bonita do laço de fita um excelente livro infantil, com alta dosagem de sensibilidade.

PINSKY, Mirna; RAMOS, Ciça. Nó na garganta. 
Localização: J P725n
Nó na garganta é a história de Tânia, uma menina negra de 10 anos cuja família decidiu trocar a vida pobre e difícil na cidade grande por uma oportunidade diferente do litoral. No novo ambiente, Tânia defronta-se com a dura realidade do preconceito racial. Uma experiência amarga que a levará a descobrir coisas importantes a respeito de si mesma, como seu poder de enfrentar com dignidade as injustiças do mundo em que vivemos.

MARTINS, Georgina; EUGENIA, Maria. Minha família é colorida.
Localização: J M343m
Ângelo tem um irmão de cabelos lisos, uma mãe de cabelos ondulados e uma avó que é negra. Por que todo mundo é diferente? E como podem ser todos parte da mesma família, já que ninguém se parece? Junto com o protagonista desta história, o leitor vai perceber que muitas de suas raízes estão longe, em lugares que às vezes a gente nem imagina.




                                 Atenção!

As Bibliotecas Públicas Municipais de Guarulhos não abrirão nos dias 20, 21 e 22 de novembro (quinta, sexta e sábado) em virtude do feriado da Consciência Negra. 

Mundo dos Quadrinhos

Death Note - O caderno da Morte

É uma série de mangá em 12 volumes, escrita por Tsugumi Ohba e ilustrada por Takeshi Obata, e que cuja adaptação para anime foi dirigida por Tetsurō Araki. No Brasil, a série de mangá foi publicada pela Editora JBC.
A história centra-se em Light Yagami, um estudante do ensino médio que descobre um caderno sobrenatural chamado "Death Note", no qual pode matar pessoas se os nomes forem escritos nele enquanto o portador visualizar mentalmente o rosto de alguém que quer assassinar. A partir daí Light tenta eliminar todos os criminosos e criar um mundo onde não exista o mal, mas seus planos são contrariados por L, um famoso detetive particular.
A Biblioteca Monteiro Lobato possui a coleção, parcialmente.

GRUPO KETUBA e BANDA BENGALA BRANCA- 74 ANOS DA BIBLIOTECA MONTEIRO LOBATO

Clique na imagem
Para finalizar as comemorações dos 74 anos da Biblioteca Monteiro Lobato, Guarulhos, apresentaremos o grupo de percussão Ketubá e banda Bengala Branca às 14hs e a Roda de Leitura sobre o livro "A bibliotecária de Auschwitz" no Espaço do Escritor, piso superior ao lado do Telecentro, às 15hs.


Banda Bengala Branca
Banda Bengala Branca
Banda formada por alunos cegos do curso de teoria musical em Braille do Conservatório Municipal de Guarulhos e convidados.
Com um repertório popular, tem encantado o público com o exemplo da superação e arte.
Orientado pelo professor Fábio Bonvenuto o grupo completa três anos de atividade.

Grupo Ketubá
Sob a coordenação do professor Fábio Bonvenuto, o grupo de percussão Ketubá do Conservatório Municipal de Guarulhos transforma sucata em instrumentos musicais. Baldes de plástico, tabuleiro de bolo, embalagens Tetra Pack, roda de carro, tambor de máquina de lavar roupa e qualquer outra quinquilharia é usada para fazer o som do Ketubá.

BIBLIOTECA MONTEIRO LOBATO - Endereço
Dia 29 de Novembro 2014
A partir das 14hs

74 ANOS DA BIBLIOTECA MONTEIRO LOBATO - GUARULHOS-SP

Aniversário de 74 anos
VEJAM AS PRINCIPAIS FOTOS AQUI.

Dia 10 de Novembro de 2014, data importante para todos que frequentam e trabalham na biblioteca. Com muita alegria, festejamos o aniversário com eventos de feira de troca livros, a participação do grupo Os Escritureiros, além da exposição de fotos e jogos de cartas. Obrigado a todos....