Busca

Carregando...
Fique Atento!


Durante este mês de janeiro, as bibliotecas que compõem o Sistema de Bibliotecas Públicas de Guarulhos (com exceção da Biblioteca Gracinda do Anjos) funcionarão em horário diferenciado aos sábados: das 09h às 14h.

As unidades do Sistema de Bibliotecas Públicas Municipais de Guarulhos, mantidas pela Secretaria de Cultura, realizarão inventário anual de janeiro a abril. Serão suspensos os serviços de empréstimo de livros e periódicos duas semanas antes dos inventários. Os serviços como pesquisa, acesso a internet e eventos, serão interrompidos apenas nos períodos de fechamento. 

Confira a programação de fechamento das bibliotecas para inventário:

Biblioteca Monteiro Lobato
2 a 14 de fevereiro
Obs.: O Espaço Troca Livros, o Anfiteatro Pedro Dias Gonçalves e o Salão de Exposições funcionarão normalmente, com exceção do dia 03 de fevereiro, pois o prédio será fechado para desratização.

Biblioteca Orobó Jardim Presidente Dutra
19 de fevereiro a 2 de março

Biblioteca Orobó Mikail
2 a 23 de fevereiro

Biblioteca Paulo do Carmo Dias
26 de janeiro a 9 de fevereiro

Biblioteca do CEU Ponte Alta
26 de janeiro a 6 de fevereiro
Biblioteca Gracinda dos Anjos de Sá Domingues
6 a 10 de abril

BIBLIOTECA INDICA: DIA INTERNACIONAL EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS DO HOLOCAUSTO


Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas a amar.”
Nelson Mandela



BOYNE, John. O menino do pijama listrado.
Localização física: F B785n
Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz idéia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

ACKERMAN, Diane. O zoológico de Varsóvia.
Localização física: F A166z
Jan e Antonina Zabinski eram os encarregados cristãos do Jardim Zoológico de Varsóvia quando, no início da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha invadiu a Polônia, e os bombardeios que destruíram a cidade mataram boa parte dos animais. O casal passou, então, a esconder judeus nas celas vazias, aproveitando a obsessão dos nazistas por animais raros e com isso salvou mais de trezentas pessoas condenadas. Sua história, no entanto, desapareceu por entre as frestas da "grande" História, como às vezes acontece com os atos de compaixão radical e extrema coragem. Este livro de Diane Ackerman é o testemunho poderoso dessa coragem, uma história que celebra, com rara sensibilidade, a beleza, o mistério e a tenacidade do espírito humano e da própria vida.


ANGLADA, Maria Ángels. O violino de Auschiwtz.
Localização física: F A597v
Em tradução direta do idioma original, O violino de Auschwitz, da catalã Maria Àngels Anglada, integra uma importante vertente da ficção contemporânea, cujo tema geral pode ser sintetizado pela expressão dignidade na barbárie. Se os racistas pretendem diminuir a dimensão humana do objeto de seu ódio, os nazistas, por sua vez, pretendiam anulá-la inteiramente. A arte, porém, a rearfima. A história de O violino de Auschwitz se constrói então sobre uma magnífica e brutal ironia.


 HUMBERT, Agnes. Resistência: a história de uma mulher que desafiou Hitler.
Localização física: 929HUMBERT H217r
Inconformada com a dominação nazista, movida por uma coragem ímpar e com o apoio de seus colegas do Museu do Homem em Paris, Agnès fundou um dos primeiros grupos da Resistência francesa. Durante quase um ano, ela e seus companheiros redigiram, imprimiram e distribuíram o jornal Résistance, além de panfletos e outros textos contra o governo de Vichy.Até a sua captura, nos primeiros meses de 1941, Agnès registrou os fatos dia após dia, e suas anotações nos permitem acompanhar cada passo dos primórdios da Resistência. Feita prisioneira, ela não tinha mais como escrever em seu diário. Contudo, ao ser libertada em 1945, dedicou-se a repassar os fatos em sua memória para registrálos ainda no calor dos acontecimentos.

FRANK, Anne. O diário de Anne Frank.
Localização física: 929FRANK F91d
12 de junho de 1942 - 1º de agosto de 1944. Ao longo deste período, a jovem Anne Frank escreveu em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de muitos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. A força da narrativa de Anne, com impressionantes relatos das atrocidades e horrores cometidos contra os judeus, faz deste livro um precioso documento. Ele destaca sentimento, aflições e pequenas alegrias de uma vida incomum, a transformação de uma menina em mulher, o despertar do amor, a fé inabalável na religião, e revela a rara nobreza de um espírito amadurecido no sofrimento. Um retrato da menina por trás do mito.


 ITURBE, Antonio G. A Bibliotecária de Auschiwtz.
Localização física: F I87b
O Bloco 31 tinha 500 crianças, e neste lugar onde os livros eram proibidos, a jovem Dita escondia todas as noites os frágeis oito volumes da biblioteca mais pequena, recôndita e clandestina que jamais existiu. No meio do horror, Dita dá-nos uma maravilhosa lição de coragem: não se rende e nunca perde a vontade de viver nem de ler porque, mesmo naquele terrível campo de extermínio nazi, “abrir um livro é como entrar para um comboio que nos leva de férias.”

Kleinsinger, Moshoe. Nas asas da esperança.
Localização física: 94 K72n
Moshe Kleinsinger, judeu nascido em 1918, em Varsóvia, capital da Polônia precisou assumir a identidade de Stanislaw Rozanskii, um polonês anti- semita inventado, para escapar do Holocausto. Obrigado a esquecer os detalhes mais pessoais de sua vida, a enterrá-los no inconsciente, só recentemente recordou-se do dia e ato de seu nascimento, do nome dos amigos de infância, etc. Nas asas da esperança é o relato dessa experiência, dessa troca de personalidade, dos subterfúgios usados na luta para sobreviver. Mostrando muito do drama individual desse homem que viveu uma tragédia coletiva, esta narrativas surge como inesquecível lição de energia e de disposição para superar o horror da guerra.

Mundo dos Quadrinhos

Nova York – A vida na Grande Cidade

Uma obra do grande mestre do gênero, Will Eisner: as quatro graphic novels, reunidas neste único volume, foram escritas entre os anos 80 e 90, e traçam um retrato genuíno, ao mesmo tempo brutal e profundamente humano, da vida na cidade grande. Protagonizadas por personagens singulares, essas pequenas histórias registram momentos às vezes irônicos, às vezes trágicos, da vida dos habitantes da metrópole, revelando muito mais do que “um acúmulo de grandes edifícios, grandes populações e grandes áreas”.

Esses breves vislumbres iluminam com delicadeza desde as situações mais cotidianas até as reviravoltas mais trágicas. O olhar agudo que se revela nas vinhetas ganha em “O edifício” e “Pessoas invisíveis” aspecto mais sombrio. Nessas histórias que são, sobretudo, biografias de personagens solitários e esquecidos, Eisner põe em xeque o isolamento e a indiferença impostos pela metrópole. Verdadeira obra-prima dos quadrinhos, Nova York é um registro impressionante não só da sensibilidade de seu autor, mas da vida que se esconde por trás de toda grande cidade.

A Biblioteca Monteiro Lobato possui um exemplar para consulta e um para empréstimo.



Projeto Poesia às segundas-feiras


BRECHT, Bertolt; SOUZA, Paulo César de (organizador e tradutor). Do pobre BB. IN: Poemas (1913-1956). São Paulo, editora 34, p.53

1.
Eu, Bertolt Brecht, venho da floresta negra.
Para a cidade minha mãe me carregou
Quando ainda vivia no seu ventre. O frio da floresta
Estará em mim até o dia em que eu me for.

2.
Na cidade de asfalto estou em casa. Recebi
Desde o início todos os sacramentos finais:
Jornais, muito fumo e aguardente. Desconfiado
Preguiçoso e contente - não posso querer mais!

3.
Sou amável com as pessoas. Uso
Um chapeu cartola segundo seu costume.
Digo: são animais de cheiro bem peculiar
E digo: Não faz mal, também tenho esse perfume.

4. 
Pelas manhãs, em minha cadeira de balanço
De vez em quando uma mulher faço sentar
E observando-a calmamente lhe digo:
Em mim você tem alguém em quem não pode confiar.

5. 
À noite, alguns homens se reúnem a minha volta
E entre nós, "gentlemen" é o tratamento vigente.
Colocam os pés sobre a minha mesa
Dizem: As coisas vão melhorar. E eu não pergunto: Realmente?

6. 
Na luz cinzenta da aurora os pinheiros urinam
E seus parasitas, os pássaros, começam o gorjeio.
Por essa hora eu na cidade entorno a bebida
Jogo fora o charuto e vou dormir com receio.

7.
Habitamos uma geração fácil
Em casas que acreditávamos eternas
(Assim construímos aquelas imensas caixas na ilha de Manhattan
E as antenas cujos sinais cruzam o mar como invisíveis lanternas)

8.
Destas cidades ficará: o vento que por elas passa!
A casa faz alegre o conviva: ele a esvazia.
Sabemos que somos fugazes
E depois nada virá, somente poesia.

9.
Nos terremotos que virão tenho esperança
De não deixar meu "Virgínia" apagar com amargura
Eu, Bertolt Brecht, chegado há tempo na selva de asfalto
No ventre de minha mãe, vinda da floresta escura.

BIBLIOTECA INDICA: CARTAS


Enviar uma carta é um bom meio de ir a algum lugar sem mover nada a não ser o coração.



MEYES, Jojo. A última carta de amor.
Localização física: F M899u
Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. De volta à casa com o marido, ela tenta, em vão, recuperar a memória de sua antiga vida. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante. Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalhava. Obcecada com a ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte porque ela mesma está envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar “B”, sem desconfiar que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas do seu próprio relacionamento.



JOYCE, James. Cartas a Nora Barnacle.
Localização física: 82-6 J79c
Muito além da relevância das ditas "cartas sujas", em que eles trocavam "safadezas" quando estavam sem se ver, o que essa correspondência registra, expõe e elucida é simplesmente a relação mais definidora da história de vida de Joyce. O que o leitor recebe é uma via de acesso a um compartimento profundo e rico da vida sentimental de um grande reelaborador de sentimentos e vidas. É chegar mais perto da fonte. O Ulysses, de um certo ponto-de-vista, é a história de Joyce sem Nora. 


SHAFFER, Mary Ann; BARROWS, Annie. A sociedade literária e a casca de batata.
Localização física: F S322s
"A sociedade literária e a torta de casca de batata" é um romance epistolar, encenado nas longínquas ilhas Guernsey, no Canal da Mancha, após a Segunda Guerra Mundial. Escrito pela bibliotecária e livreira que estreou na literatura com mais de 70 anos, Mary Ann Shafer, com apoio da sobrinha, Annie Barrows, o livro é uma celebração da vida através da literatura.



SPARKS, Nicholas. Querido John.
Localização física: F S726q
Querido John”, dizia a carta que partiu um coração e transformou duas vidas para sempre. Com um futuro sem grandes perspectivas, John, um jovem rebelde, decide alistar-se no exército, após concluir o ensino médio. Durante sua licença, conhece a garota de seus sonhos, Savannah. A atração mútua cresce rapidamente e logo transforma-se em um tipo de amor que faz com que Savannah prometa esperá-lo concluir seus deveres militares. Porém ninguém previa o que estava para acontecer, os atentados de 11 de setembro mudariam suas vidas e do mundo todo. E assim como muitos homens e mulheres corajosos, John deveria escolher entre seu país e seu amor por Savannah. Agora, quando ele finalmente retorna para Carolina do Norte, ele descobre como o amor pode nos transformar de uma forma que jamais poderíamos imaginar.




HANFF, Helen. 84 Charing Cross Road (Nunca te vi, sempre te amei.)
Localização física: 82-6 H215e
Numa história de amor e gosto pelos livros, 'Nunca Te Vi, Sempre Te Amei' apresenta Helen Hanff , uma escritora mal-humorada que envia uma carta a uma pequena livraria de Londres, solicitando algumas obras inglesas clássicas raras. Frank Doel, o discreto vendedor inglês de livros, atende a seu pedido, iniciando uma troca de cartas comovente e graciosa entre dois continentes por duas décadas. A aspereza de Hanff contrasta com o comportamento pomposo britânico de Doel, mas o amor mútuo aos livros forma entre eles um elo que se intensifica com o passar dos anos. Suas cartas íntimas e altamente detalhadas descrevendo seus sonhos, esperanças, sofrimentos e alegrias nos faz mergulhar no universo de suas vidas, e eles acabam desenvolvendo uma amizade notável e duradoura.

LACLOS, Choderlos. As relações perigosas.

Localização física: F L145r
Durante alguns meses, um grupo peculiar da nobreza francesa troca cartas secretamente. No centro da intriga está o libertino visconde de Valmont, que tenta conquistar a presidenta de Tourvel, e a dissimulada marquesa de Merteuil, suposta confidente da jovem Cécile, a quem ela tenta convencer a se entregar a outro homem antes de se casar. Lançado com grande sucesso na época, As relações perigosas teve vinte edições esgotadas apenas no primeiro ano de sua publicação. Boa parte do sucesso do romance deve-se ao fato de a história explorar com muita inteligência os caminhos obscuros do desejo.


Cartas de amor de homens notáveis.
Localização física: 82-6 C314
Inspirado no livro que a personagem Carrie Bradshaw lê no filme Sex and the City, Cartas de amor de homens notáveis reúne algumas das correspondências mais românticas da história, encontradas em meio a documentos pessoais de ícones como Beethoven, Victor Hugo, Honoré de Balzac e Charles Darwin. Por meio dessas cartas, o leitor poderá satisfazer sua curiosidade sobre os casos amorosos e a vida particular de figuras históricas importantes e conhecer todas as nuances da paixão, desde a refinada eloquência de Oscar Wilde, passando pela singela devoção de Mozart até o ciúme que Napoleão sentia de sua primeira esposa, Josefina. Amor, esperança e desejo estão representados neste livro, assim como o prazer de receber ou enviar uma mensagem à pessoa amada. 
PESSOA, Fernando. A Correspondência.

Localização física: 82-6 P567c
Escritas entre os 17 e os 34 anos anos, essas cartas traçam um roteiro ao mesmo tempo íntimo e coletivo, pessoal e público. Cartas literárias e comerciais; textos militantes e poéticos; reflexões filosóficas e políticas são alguns dos gêneros que compõem este variado conjunto. A diversidade de temas tratados, bem como o vasto universo de interlocutores, permite esboçar as faces distintas do poeta: jornalista empenhado, crítico contumaz, militante político, editor, tradutor, homem de negócios etc. A Correspondência deixa bem claro que as diferentes atividades que exerceu não esgotam o sentido da multiplicidade em Pessoa. Como ele mesmo escreveu, "Trago com a consciência quotidiana de mim-próprio a impressão que me perdi dentro de mim, e, andando continuamente em minha procura, tenho contudo receio de me encontrar, não vá eu descobrir-me outro".
KAFKA, Franz. Carta ao pai.
Localização física: 82-6 F16c
A Carta ao pai é uma peça fascinante da obra de Franz Kafka. Dificilmente algum filho pôde escrever ao pai carta mais pungente do que esta. Nela o grande escritor realiza um ajuste de contas memorável com o tirano familiar Hermann Kafka. O móvel do confronto é uma tentativa de casamento do filho que o pai desaprova, mas o texto abrange toda a relação entre ambos, num ritmo dolorosamente ágil. Como sempre, a capacidade de análise e argumentação do escritor surpreende. Aqui ela transforma uma carta em documento perene da literatura universal.

Projeto Poesia às segundas-feiras


ANDRADE, Carlos Drummond de. Um passarinho em toda parte. IN: As impurezas do branco: poesia. 7a.ed. Rio de Janeiro, Record, 1998. p.122

Bem te vi, bem-te-vi
bem te ouvi recitando
e repetindo nítido
teu bentibentivismo.
Bem te vi lá na roça
nas árvores, nas águas,
bem te vi na cidade
que prolongava a roça,
bem te vi no Jardim
da República sobre
o cupim das cutias
estátuas no gramado,
bem te vi na Argentina,
quando o chána planícíe
chamava a revoada
de borboletas trêmulas
sobre o azul da piscina,
bem te vi, bem te vejo
na vasta galeria
de bichos e de coisas
irmãos de nossa vida
a esvoaçar na voz
dos mais velhos que ensinam
o almanaque da terra,
bem te vi, bem te vejo
presente entre as ausências
que me vão rodeando
e quando bem te avisto
e te ouço, eis que me assisto
devolvido ao primeiro
bem-ver ouvir do prístino
bem-te-vi bentivisto.