Busca

Carregando...

BIBLIOTECA INDICA: DIA MUNDIAL DA ÁGUA


Você sabia que apenas 0,008% de toda água do planeta é própria para o consumo? 
Você sabia que se a poluição e o desperdício não diminuírem, em 20 anos poderá faltar água para 60% do planeta?
Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca.



PETRELLA, Ricardo; JOSCELINE, Vera Lucia Mello. O manifesto da água: argumentos para um contrato mundial.
Localização física: 628.1 P586m
Um bilhão e meio de pessoas não tem acesso à água potável em quantidade suficiente; dois bilhões, à água de qualidade adequada. Se permanecer a atual tendência, em vinte anos esse número dobrará: mais de três bilhões não terão acesso à água potável segura e cinco bilhões enfrentarão problemas sérios de escassez e qualidade da água. A poluição, a exploração desordenada, a destruição ambiental, o crescimento demográfico e os interesses mercantis estão diminuindo a qualidade e a distribuição democrática da água no mundo inteiro. É possível viver sem internet, sem petróleo ou mesmo sem conta bancária. Mas não se vive sem água. 

REÚSO DE ÁGUA.
Localização física: 556 R346
Este livro agrega conhecimentos ao atendimento e aplicações do reúso de água, de modo a permitir que profissionais e todos aqueles que se interessam por este tema, notadamente um dos mais importantes do século, desenvolvam estudos e projetos associados ao campo de conhecimento em referência. São indicados a importância e o potencial do reúso de água no Brasil, destacando-se os usos benéficos mais significativos, ou seja, urbanos, industriais, recarga artificial de aqüíferos e agrícolas. Especial atenção é dada a aspectos de saúde pública associados ao reúso agrícola de esgotos e biossólidos, abordando-se o estabelecimento de critérios, diretrizes e padrões baseados em processos técnico-científicos e evidências epidemiológicas. 


VILLIERS, Marq de; KOCERGINSKY, José. Água.
Localização física: 556 V782a
Em 'Água', o autor nos apresenta um diagnóstico comentado da distribuição dos recursos hidráulicos no mundo, alertando para a crescente desertificação do planeta e suas implicações. Uma questão atual que envolve o futuro da própria humanidade. 

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Não verás país nenhum.
Localização física: F B817n
O livro se desenrola em um futuro não determinado, mas cada vez mais presente na realidade do brasileiro. Uma época terrível, na qual a Amazônia se transformou em um deserto sem nenhuma árvore; onde "O lixo forma setenta e sete colinas que ondulam, habitadas, todas. E o sol, violento demais, corrói e apodrece a carne em poucas horas"; onde a carência de água impõe a reciclagem da urina, bebida pelas pessoas. A administração do país chegou ao caos. Governantes medíocres, cada vez mais afastados do povo, interessados apenas em vantagens pessoais, uma polícia corrupta e assustadora. No meio desse mundo sombrio, uma história de amor, na qual o autor sugere que nem tudo está perdido, pelo menos enquanto o bicho-homem alimentar esperanças e for capaz de gestos de generosidade.

RAMOS, Graciliano. Vidas secas.
Localização física: F R143v
O que impulsiona os personagens é a seca, áspera e cruel, e paradoxalmente a ligação telúrica, afetiva, que expõe naqueles seres em retirada, à procura de meios de sobrevivência e um futuro. O estilo é certamente o mais puro e característico de Graciliano Ramos, escritor que se tornou o clássico moderno da literatura brasileira.
RIO SÃO FRANCISCO RIVER.
Localização física: 913(282.281.5) R452
No topo da serra nasce um pequeno veio d'água. Cristalino, desliza encosta abaixo aninhando-se num sinuoso vale. Poucos metros à frente, já é rio. Ganha volume, aprofunda e alarga seu leito, para depois percorrer mais de 3.000 quilômetros do terrotório brasileiro em direção ao mar. Levando a esperança em suas águas, o rio São Francisco é uma das marcas culturais do país. Percorrer o Velho Chico é entrar em contato com um dos mais belos cenários brasileiros. É, também, travar contato com a imensa força que molda a identidade cultural de uma região.


BELLINGHAUSEN, Ingrid Biesemeyer. O mundinho azul.
Localização física: J B385m
Observado de longe, o nosso mundo tem coloração azul por causa dos oceanos que ocupam a maior parte de sua superfície. A água é um recurso natural precioso, e é hora de se preocupar com ela. Se as crianças descobrirem logo a importância de preservá-la, contribuirão para o futuro dos 'homenzinhos' deste 'mundinho azul' e do meio ambiente.

Coletivo Cafuzas - Roda de compartilhamento de experiências


No dia 23/3, o Coletivo Cafuzas realizou com êxito o Intervenções narrativas, na BML, no Ambulatório de Atendimento Infantil e nas praças João Ranali e Getúlio Vargas.

O coletivo promoverá no dia 30/03, Roda de Compartilhamento de experiências com os autores convidados Angela Pappiani e Allan da Rosa.
Roda de compartilhamento de experiências com os autores convidados Angela Pappiani e Allan da Rosa.
30 de março 2015 (segunda-feira), das 14h às 17h 
Prestigie!

A Roda de compartilhamento de experiências é um encontro, aberto a quaisquer interessados, caracterizado pela partilha de saberes e práticas relativas às culturas indígenas, africanas e afro-brasileiras. Tendo em vista o caráter de incentivo à leitura deste projeto, o Coletivo Cafuzas contará com dois escritores convidados: Angela Pappiani que trabalha a partir da temática indígena, e Allan da Rosa, que cria suas obras a partir das culturas africanas e afro-brasileiras. Não é necessário conhecimento prévio acerca das culturas indígenas e africanas ou qualquer pré-requisito para a participação nesta ação.

Coleção Clássicos Infantis Acessíveis

A Biblioteca Monteiro Lobato recebeu da Fundação Dorina Nowill para Cegos a Coleção Clássicos Infantis Acessíveis, cuja publicação faz parte da comemoração de 69 anos da fundação.

São 10 (dez) títulos de clássicos infantis impressos tanto em braille como em fonte ampliada, ilustrados caprichosamente com cores vibrantes. Todos os títulos vem acompanhados de CD cujas as histórias apresentam versões com e sem audiodescrição – recurso que descreve minuciosamente as informações que não estão contidas nos diálogos, como expressões faciais e corporais, aspectos do ambiente, figurinos, efeitos especiais, mudanças de tempo e espaço – facilitando com isso o acesso as pessoas com deficiência visual a partir de diferentes materiais. Todos esses recursos disponíveis estimulam os demais sentidos do leitor proporcionando-lhe uma viagem literária.






Projeto Poesia às segundas-feiras


PASTERNAK, Boris ; CAMPOS, Augusto de (Trad.) Contra a fama IN: Poesia da recusa. São Paulo, Perspectiva, 2011. p.103 (Signos, 42)

Ser famoso não é bonito.
Não nos torna mais criativos.
São dispensáveis os arquivos.
Um manuscrito é só um escrito.

O fim da arte é doar somente.
Não são os louros nem as loas.
Constrange a nós, pobres pessoas,
Estar na boca de toda gente.

Cumpre viver sem impostura.
Viver até os últimos passos.
Aprender a amar os espaços
E a ouvir o som da voz futura.

Convém deixar brancos à beira
Não do papel, mas do destino,
E nesses vãos deixar inscritos
Capítulos da vida inteira.

Apagar-se no anonimato,
Ocultando nossa passagem
Pela vida, como à passagem
Oculta a nuvem com recato.

Alguns seguirão, passo a passo,
As pegadas do teu passar,
Porém não deves separar
Teu sucesso de teu fracasso.

Não deves renunciar a um min-
Imo pedaço do teu ser,
Só estar vivo e permanecer
Vivo, e viver até o fim.

BIBLIOTECA INDICA: A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS


Se quiser falar ao coração dos homens, há que se contar uma história. Dessas onde não faltem animais e muita fantasia. Porque é assim, suave e docemente que se despertam consciências.”
Jean de La Fontaine



CARTER, Angela. 103 contos de fadas.
Localização física: C C298c
O livro reúne pela primeira vez todas as histórias organizadas por Carter, formando um verdadeiro e extenso painel do folclore mundial e das tradições narrativas dos mais variados povos, do Ártico à Ásia. Mas apesar do nome, há poucas fadas nessas páginas, e o leitor também terá dificuldades em encontrar príncipes encantados e similares. Escritas em uma época em que esse tipo de história não era destinado a crianças, as fábulas aqui contidas dão lugar a uma série de tias malévolas, esposas traiçoeiras, irmãs excêntricas e perigosas feiticeiras. Por terem sido registrados em papel pela primeira vez nos últimos duzentos ou trezentos anos, os contos oferecem — correndo por detrás da trama — um retrato do dia-a-dia no mundo pré-industrializado e um pouco das dinâmicas sociais e outros detalhes que com o tempo se perderam. 


TAHAN, Malba;Diniz, Alberto. As mil e uma noites.
Localização física: C M581
As Mil e uma Noites - Com apresentação de Malba Tahan, um dos mais respeitados contadores de histórias do universo oriental, o livro reúne contos exóticos e personagens misteriosos, como ' Ali Babá e os Quarenta Ladrões' e 'Aladim e a Lâmpada Maravilhosa' , que já inspiraram um grande número de adaptações para o teatro e cinema e expressam toda a poesia e deslumbramento do mundo árabe. A versão adotada foi a de Antoine Galland, a mais conhecida no Ocidente, que, pela sua qualidade, foi traduzida para todos os idiomas. Galland selecionou as lendas mais curiosas e de enredo mais palpitante, que mostram a vida em toda a sua maravilhosa diversidade. São contos de aventuras de cavalaria e guerra, histórias de amor e intriga de namorados, romances de viagens, lendas cheias de crueldades, cenas de zombaria, histórias de erudição e muito mais.


RIBEIRO, Jonas; SZÉLIGA, Márcia. Ouvidos dourados: a arte de ouvir as histórias (..para depois contá-las..).
Localização física: 028.1 R369o
Contar histórias. Ah, como é agradável reunir os amigos, os alunos, a comunidade e saborear os contos, as histórias, as fábulas que encantam há tantas gerações!
Só que antes de contar histórias é necessários ter ouvidos, ouvidos dourados para aprender a ouvir, a se envolver, a sentir e a se emocionar.


13 DOS MELHORES CONTOS DE AMOR DA LITERATURA BRASILEIRA.
Localização física: C T741
Aqui começa um emocionante caso de amor com a literatura brasileira. Irresistíveis, enamorados, apaixonados, os 13 contos que compõem este livro provam que a palavra ainda é a melhor arma de sedução. Deixe-se conquistar por eles.


GROOM, Winston. Forrest Gump: o contador de histórias.
Localização física: F G914f
Provando numa narrativa com sabor de fábula, que mesmo os menos dotados podem tropeçar na História a cada momento, modificando os caminhos do mundo, este é um romance exemplar. Através de Forrest Gump, o escritor Winston Groom traça um painel delicioso da América de Elvis Presley, Kennedy, da Guerra do Vietnã, do movimento hippie e de Watergate.


Os 100 MELHORES CONTOS DE HUMOR DA LITERATURA UNIVERSAL.
Localização física: C C388
Coletânea que traz alguns dos melhores contos de humor da literatura nacional e universal. Flávio Moreira da Costa apresenta autores como Homero, Boccacio, Gogol, Voltaire, Machado de Assis, Fernando Sabino, Veríssimo e muito mais, aproximando o leitor a heterogeneidade dos autores.


OS MELHORES CONTOS DE LOUCURA.
Localização física: C M469
Genialidade, matizes e sutilezas impensáveis. Nesta obra, o autor e antologista Flávio Moreira da Costa apresenta uma seleção de contos (alguns inéditos em português) que têm a literatura como tema e a loucura como fio condutor. É impossível se aproximar deste universo e não sair dele mais renovado, com uma compreensão maior a respeito do ser humano. 


LA FONTAINE, Jean de. Fábulas de La Fontaine. 
Localização física: J L166f
Jean de La Fontaine, autor francês do século XVII. La Fontaine representou as virtudes e fraquezas da natureza humana sob a forma de inesquecíveis personagens animais. Suas fábulas são antigas mas não envelhecem, proporcionando até hoje leitura agradável e ensinamentos preciosos.


FLAUBERT, Gustave. Três contos.
Localização física: C F616t
Uma nova tradução faz justiça à fama destes contos considerados pela crítica o testamento literário de Gustave Flaubert (1821-1880) e um dos pontos altos da ficção do século XIX. São histórias exemplares que confirmam plenamente a visão certeira, a riqueza de recursos e a modernidade da prosa do autor, reunindo os temas e as preocupações de sua fase mais madura.

Projeto Poesia às segundas-feiras


FROST, Robert ; LAMBERT, Barbara Theoto. Juntando folhas IN: PICKLES, Sheila (Org.) Quatro estações. São Paulo, Melhoramentos, 1995. p.82 (Flores perfumadas)

Pás não recolhem folhas
melhor do que colheres,
e sacos cheios de folhas
são leves como balões.

Faço um estardalhaço
na lida o dia todo,
como o coelho e a corça
sempre a fugir.

Mao os montes que levanto
eludem meus abraços,
escapam de meus braços
e cobrem o meu rosto.

Posso colher e recolher
muitas e muitas vezes
até encher o galpão.
Mas o que tenho, então?

Quase nada quanto ao peso,
e já que as folhas ficam opacas
em contato com a terra,
quase nada quanto a cor.

Quase nada quanto ao uso.
Mas uma safra é uma safra,
e quem sabe dizer onde 
vai parar a colheita?